Conhecendo a Holanda: Amsterdã, Roterdã, Marken e Volendam

Seguindo o meu tour pela Europa, é hora de falar da Holanda, um país com uma cultura bem diferente da nossa. Já falei sobre o meu passeio pela França e pela Bélgica.

Roterdã

Parti de Brugges na Bélgica em direção à Holanda. Passei pelo famoso túnel submarino que passa debaixo do Rio Escalda e leva até as ilhas de Zelândia e à sua capital, Middelburg.

Uma rápida passagem por Roterdã, cidade onde encontrei uma loja de perfumes com ótimos preços. Comprei o Eternit da Calvin Klein com um preço excelente, se comparado ao valor comprado aqui no Brasil.

Delft/Haya

Depois segui viagem e fui até a cidade de Delft, onde nevava bastante. Tirei algumas fotos na praça central da cidade, onde está localizada a Câmara Municipal de Delft e também a “New Church”, uma igreja protestante de estilo gótico de mais de 600 anos.

Em Delft também valeu a pena visitar a “Old Church”, outra igreja também de estilo gótico onde a torre desta é completamente torta e vista de longe parece que vai desabar a qualquer momento.

Em virtude de muita neve nesta cidade, consequentemente, presenciei muitos tombos. Um deles de nossa colega de grupo Fátima, por sinal uma mega tombo, e também da Carol, pessoa que conheci nesta viagem. Já havíamos conversado algumas vezes mas neste dia ficamos nos conhecendo melhor.

Por fim, visitei também alguns belos canais desta cidade e parti pra estrada novamente. Fiz uma parada na cidade de Haya, capital administrativa dos Países Baixos. Tirei uma foto frente à belíssima construção do Tribunal de Justiça e segui em direção a Amsterdã.

1º dia em Amsterdã

Em Amsterdã, me hospedei no Dorint Hotel, que fica perto do aeroporto. O hotel fica longe da parte central de Amsterdã, porém a vantagem é que o hotel oferece traslado do hotel ao aeroporto e do aeroporto é possível pegar o metrô para a área central.

Fiz check-in no hotel e já parti rumo ao Bairro Vermelho. A guia estava explicando que na Holanda a prostituição é legalizada e o uso de maconha também e havia um pastor no grupo. Este ficou horrorizado.

rua-vermelha-amsterdã-andre-morato

Conhecemos a Rua Vermelha e as famosas vitrines onde ficam as prostitutas. E diga-se de passagem a grande maioria era bonita. Na rua vermelha o cheiro de maconha era muito forte, pois com o uso legalizado… bom, nem precisa explicar.

Uma parada para comer. O Cledson e a Cristiane pediram uma lasanha bolognesa e eu dividi uma pizza com a Carol, ou seja, todos comemos massas pois “Massas, você não erra!”.

2º dia em Amsterdã/Marken/Volendam

No dia seguinte, conheci os famosos moinhos de vento da Holanda. Fiz um City Tour por Amsterdã, onde conheci os principais pontos turísticos desta cidade, incluindo o mercado de flores e o Canal de Amstel.

amsterda-holanda-andre-morato

canal-amstel-amsterda-holanda-andre-morato

Conheci também uma fábrica de diamantes, mas confesso que é um passeio meio chatinho, não recomendo!

Um pouco mais tarde segui em direção a bela, fria e deserta cidade de Marken, com belíssimas casas e muuuuita neve. Depois conhecemos uma fábrica de queijos. Os queijos eram deliciosos.

Após, seguimos em direção a cidade de Volendam, cidade que na minha opinião foi a mais fria de todas que visitamos. A temperatura era de -12ºC mas ventava bastante, fazendo com que a sensação térmica fosse menor ainda.

Nesta cidade, tive uma experiência incrível, ver o mar congelado. O mar estava completamente congelado, nunca pensei que fosse ver coisa igual. Mas eu vi, e não só vi como tirei fotos em cima do mar congelado. Oportunidade única.

volendam-holanda-andre-morato

Havia também um barco congelado às margens. A cidade tem várias lojas de artesanato e lembranças e roupas baratas também.

Depois da visita a esta cidade congelante, retornei ao hotel. Fui para a piscina do hotel, que era aquecida e coberta, porém não cheguei a entrar na água.

À noite resolvi fazer uma doidera e saí com a Carol para pegar o metrô. Foi um custo conseguir informações do metrô que seguiria para a Estação Central, mas consegui.

Dei uma volta pelo Bairro Vermelho novamente, estava nevando e, volta vai volta vem resolvemos comer uma pizza e nem precisa explicar porque pedimos massa denovo.

Decidi voltar ao hotel pois já estava ficando tarde e Amsterdã já não é tão segura quanto Paris. Na volta o metrô que precisava pegar estava lá paradinho esperando por nós. Entrei nele e aguardei. Porém aquilo não saía do lugar e os passageiros foram ficando impacientes, até que o sistema interno anunciou, em holandês, que o metro só iria sair daqui algumas horas, ou não iria sair.

amsterda-holanda-andre-morato (2)

Agora se você me perguntar como eu soube disso é simples. Todo mundo saiu de dentro do metrô e falando “Táxi” pra lá, “táxi” pra cá.

Segui o Fluxo e todos foram pegar um táxi. Então tive que pegar um também. E assim retornamos ao hotel com tranqüilidade, apesar do trabalho para explicar ao taxista qual era o meu hotel.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA